• Fit Academia

Luane Roquete: energia de sobra

Atualizado: 20 de Mar de 2018

Ela é dona de um sorriso fácil e de muita disposição. Mesmo depois de fazer uma aula de kangoo jumps atrás da outra. Luane Roquete, aluna da FIT Academia, faz do exercício sua terapia. Não é incomum ouvir gente perguntando: “tá, mas como tu consegues?”. E ela responde: “parei de tentar achar dificuldade antes mesmo que a atividade física me desse prazer. Nada é tão difícil que não possa ser superado e, certamente, neste caminho pela busca do bem-estar você vai encontrar pessoas que só irão facilitar esse processo. E aí está a melhor parte. Depois desse passo dado, o resto é consequência”, reconhece.


Nesta conversa, Luane comenta um pouquinho da sua rotina – ela trabalha na Casa Destemperados, um espaço em Porto Alegre dedicado a comer e beber bem que oferece experiências gastronômicas e degustações quase que diárias e também é de onde saem os conteúdos do site que é referência no assunto (www.destemperados.com.br) – e sua busca pelo equilíbrio. Confira!


A disposição e o alto-astral parecem ser tuas marcas registradas. Tu consegues atribuir o teu jeito de ser a um estilo de vida?

Tentar fazer com que os problemas do dia a dia não afetem os que estão a minha volta se tornou quase um objetivo. Quem convive comigo poucas vezes vai me ver "pra baixo" e, quando eu estiver, logo é de se perceber. Não saberia me definir num estilo de vida porque por longos períodos não consigo manter uma rotina, mas arrisco a dizer que minha busca é "estar de bem com a vida".

Boa parte da tua energia está canalizada na prática de exercícios físicos. Sempre foi assim ou teve uma “chave da virada”?

O esporte sempre esteve presente na minha vida por influência da minha mãe. Ela tinha o sonho de seguir a carreira de atleta na adolescência. Sempre fui muito ativa. Praticava todos os esportes na escola, mas nunca com um foco em tentar ser especialista em qualquer coisa. Minha maior paixão era o handball, mas eu acabava me saindo melhor nas provas de atletismo.

A "chave da virada" para buscar algo que eu pudesse me superar e me fazer bem veio com o início do meu namoro. O Lucas, meu namorado, pratica taekwondo desde os oito anos de idade. Sempre admirei a disciplina dele com o esporte e sentia muito orgulho disso. Então, depois de mais ou menos dois anos de namoro, ele conseguiu me convencer a praticar também. Foi um processo difícil e doloroso (literalmente), mas praticar uma arte marcial em um local íntegro me fez buscar lá dentro, onde eu nem imaginava que existia, uma perseverança enorme. Treinar taekwondo foi quase uma terapia: quebrei muitas barreiras, medos e inseguranças, mas o melhor de tudo foi perceber que eu posso fazer o que eu quiser, só depende de mim. 


O que tu praticas no momento?

O esporte da vez é a corrida de rua. No dia 19 de dezembro de 2016, fiz meu primeiro treino com o grupo da Fit Academia, orientado pela R.A. Runners, e desde lá não parei mais. Em 2017, consegui completar a meia maratona (21 km) e, depois desse momento, o sentimento de que consigo fazer o que eu quiser se renovou. Além da corrida de rua, musculação e kangoo jumps estão na lista das atividades da semana.  O mais engraçado e prazeroso é que eu gosto mesmo é de estar em movimento. Não tenho mais medo de tentar algo novo. Então, já fiz as aulas de Hitt, Circuito Fight, TRX e até Pop Hits. 


E o que representa o momento do exercício físico no teu dia?

O momento do exercício físico no meu dia é minha terapia. Como na maioria dos dias pratico minhas atividades ao meio-dia, esse é o momento onde tento me desligar de tudo. Só penso no bem que estou fazendo para o meu corpo e para a minha alma e aproveito muito. Hoje a corrida de rua tem grande parcela nesse momento de terapia, pois correr depende somente de você. Não é necessário mais nada. E só sair, correr e se superar a cada quilômetro.

Trabalhar com gastronomia é sinônimo de "pé na jaca". Como é tua rotina?

Um ponto complicado do meu dia é a hora do trabalho. Antes de entrar no Destemperados, estava levando a dieta muito a sério. Consegui perder 10 kg em mais ou menos seis meses. Estava muito motivada em continuar com essa rotina.  Logo que iniciei meu trabalho lá na Casa Destemperados resolvi me permitir e viver as experiências gastronômicas (tudo pelo amor ao trabalho!), mas aí descobri que é um caminho sem volta.  Duvido alguém resistir a todas as tentações que passo naquele lugar. Não tem jeito! Depois de alguns meses, posso dizer que consegui amadurecer um pouco em relação a comilança. Experimento praticamente tudo, mas não preciso mais comer tudo. Além de tentar ter um controle maior nas degustações do dia a dia, sempre procuro estabelecer uma alimentação saudável. O suco verde está presente todos os dias.  O equilíbrio existe também quando consigo manter as atividades físicas na rotina da semana, pois o corpo só vai responder bem aos exercícios se a dieta estiver saudável. Então isso faz com que eu me esforce um pouco mais. 

274 visualizações